06 de Dezembro de 2018Rodrigo Fernandes - Fenae16 Visto

Clássicos da música brasileira dominam a primeira noite do Talentos

 

De Nando Reis e Renato Russo a Renato Teixeira, do rock à MPB. Hits e gêneros clássico da música brasileira dominaram a primeira noite do Talentos Fenae/Apcef 2018, nesta quarta-feira (5). Dezesseis candidatos subiram ao palco do SEHRS Grand Hotel, em Natal (RN), para apresentar suas composições e interpretações. A disputa deve se acirrar ainda mais nesta quinta-feira, no segundo dia de audições.

Confira, na íntegra, o vídeo da primeira noite do Talentos.

Confira fotos da primeira noite do Talentos.

Uma das candidatas que apostou no clássico foi Aline Gurgel, que concorre pela Apcef/RN. Cantando “Como nossos pais”, de Belchior e eternizada na voz de Elis Regina, ela conquistou o acompanhamento de parte da plateia. “A gente sabe que a escolha da música é muito importante, e essa traz uma mensagem muito forte sobre o que estamos vivendo hoje, sobre coisas que não mudaram na nossa sociedade”, disse. “Para mim, já é uma vitória ter participado e cantado uma música com um peso tão grande”, completou Aline.

Quando o assunto é composição, a irreverência e a regionalidade dominaram o palco. De tênis dourado e paletó verde estampado com baralho, o brasiliense Murilo Timo, da Apcef/DF, impactou o público com a música “Dívida de Vida”. “A ideia dessa canção é algo que chamei de ‘filosofolia’, porque faz as pessoas pensarem, de forma divertida, sobre coisas que fazem parte da nossa vida, como o dinheiro”, comentou.

Ao todo, 48 candidatos da categoria Música disputam uma das 12 vagas para a grande final, que ocorre no sábado (8). Neste dia, após mais uma apresentação aos jurados, serão conhecidos os três grandes vencedores de composição e de interpretação. Além disso, também haverá a premiação dos vencedores das outras três categorias: Literatura, Foto & Filme e Artes Visuais.

“O que mais nos emociona é que a gente vê a quantidade de associados participantes, que aumenta a cada ano, e também a preparação deles para estar aqui. Isso que é mais incrível”, afirmou Moacir Carneiro, diretor Sociocultural da Fenae.